25.2.03

UMA MENSAGEM PARA OS NOSSOS DIAS...


Em determinados momentos a Bíblia fala da loucura que representa o fato de o homem ser Cristão para os que estão de fora. Na realidade o que parece loucura não é o fato de sermos Cristãos, mas os conceitos pelos quais somos norteados. Nós que fomos chamados por Deus para um viver santo, reto, justo.... entendemos os fatos espirituais com extrema facilidade. Mas, pensando bem, imagine que argumentos, ou que fatos estranhos são representados em nosso discurso.
Por vezes vemos nos terminais irmãos nossos gritando (para uma fila que nem sequer olha para saber do que se trata) você precisa se arrepender e pedir perdão a Deus. Mas em meio ao nosso tempo de forma singular existe um fato que pesa contra esse tipo de discurso. Arrepender-se do que ? Pedir perdão a que Deus? Vivemos em um tempo onde os referenciais antigos de tanto que foram questionados já não existem mais. Os conceitos de certo e de errado foram diluídos, levados do âmbito coletivo para o particular, o que vale e o que é certo, é o que o meu coração julga ser certo.
O grande desafio que surge para as nossas vidas é traduzir a loucura da pregação para os nossos dias. Cada vez mais precisamos sair da condição de acomodação a que nos submetemos hoje. Não precisamos sair gritando por ai as coisas, pois se há desvantagens em nossos dias, também há vantagens. Nunca foi tão fácil espalhar uma noticia. Mas para que esse anúncio seja levado em consideração, o que anunciamos precisa ter relevância. O que precisamos é pensar e pedir ajuda (iluminação) a Deus para podermos ter uma mensagem que transcenda os limites de nossa época. Ou será que Deus não é suficientemente capaz, para nos dar uma mensagem que rompa com as estruturas das dificuldades da falta de valores e paradigmas com os quais nos deparamos hoje.
A minha oração e o meu pedido é que reflitamos sobre o tipo de Testemunho que temos dado, que tipo de mensagem temos anunciado. As pessoas que estão ao nosso redor são responsabilidade nossa. Precisamos de uma mensagem Relevante.
Deus nos abençoe.
ENGOLIDOS, MAS JAMAIS DIGERIDOS.


Qual de nós pode negar que já passou, ou que tem passado por momentos
difíceis. Ou quem seria louco a ponto de negar que após estes períodos
de crise não se surpreendeu com uma sensação de crescimento,
aprendizado, ou coisa parecida.
Ao pensar sobre este assunto do sofrimento algo instantâneo é o fato de
nos lembrarmos de Jô, mas eu gostaria de falar de um outro personagem
que pode nos ensinar muito sofre sofrimento, ou melhor, sobre situações
difíceis.Quem nunca ouviu falar sobre Jonas?
Jonas é o profeta que Caio Fábio chamou sua história de “O Sucesso do
Fracasso”, pois ele foi extremamente desobediente... (Tinha seus
motivos). Ao analisarmos a História de Jonas vamos nos deparar com uma
situação muito interessante... Deus manda que ele se desloque até a
cidade de Nínive para pregar aquela nação o arrependimento, mas Jonas
resolve desobedecer a Deus e seguir rumo a Târsis que ficava exatamente
no sentido oposto a Nínive. Dentro do navio, no meio da viagem ocorre
uma grande tempestade e no desenrolar da viagem fica decidido que Jonas
deve ser lançado ao mar... quando isso ocorre um grande animal marinho
o engole. Jonas passa então três dias dentro da barriga no grande animal
marinho até que por fim é vomitado na praia.
Três dias na barriga de um grande animal marinho. Imagine que
angustia... e é isso exatamente que Jonas pensa então de dentro do
grande animal marinho ele clama a Deus por socorro.
Sê analisarmos a história completa veremos que no final Jonas aparece
pregando na grande cidade de Nínive. Muitos já disseram que devemos
entender que no final à vontade de Deus prevalece. Isso por muito tempo
foi trazido como algo ruim, como se fossemos robôs, ou bonecos
manipulados, mas eu prefiro entender que:
1. Quando Deus cumpre em nós o seu querer, mesmo que permitindo que
passemos três dias na barriga do grande animal marinho. Na verdade, Ele
não nos quer fazer de bonecos, mas quer nos ensinar e fazer em nós o que
é bom.
2. Ao vermos a história de Jonas, não podemos pré-supor que cada vez
que não formos para onde Deus quer vamos quebrar a cara, ou ser
engolidos por animais marinhos, mas devemos lembrar que “o Pai corrige
ao filho que ama”
3. Mesmo que sejamos engolidos pelo grande animal marinho
(circunstâncias difíceis), jamais seremos digeridos. Podemos ter certeza
que as dificuldades podem nos tragar, mas jamais Deus permitira que elas
nos destruam. Nunca as lutas serão maiores do que o que podemos
suportar.
Enfim, engolidos, mas jamais digeridos.



Flávio A. Simões