26.11.05

Integridade

Os homens de Israel e de Judá estão longe, na frente de batalha, e a arca da aliança está com eles. O meu comandante Joabe e seus oficiais estão acampados ao ar livre. Como poderia eu ir para casa, comer e dormir com a minha mulher? Juro por tudo o que é sagrado, que nunca poderia fazer isso!
2 Samuel 11. 11

Se você quer aprender algo sobre integridade, sugiro que observe com atenção o relato de 2 Samuel 11. Ao contrário do que seria de se esperar em uma história do rei Davi, neste caso não poderemos aprender coisa alguma sobre integridade olhando para ele. Pelo contrário, Davi é um grande exemplo de canalhice e pecado no capítulo 11 de Samuel. Impressiona-me o exemplo de homem íntegro e fiel que é Urias. Se você quer aprender a ser íntegro, olhe para Urias e esqueça as posturas de Davi nesta história.
A primeira coisa que se destaca na vida de Urias é o fato de que ele não é judeu. Ele não pertence ao povo de Deus, mas manifesta mais fé, integridade e ética do que o rei dos judeus. Sua fé se traduz em ações práticas que esperaríamos encontrar especialmente no rei escolhido por Deus para o Seu povo. Mas é um estrangeiro, não o rei, que se comporta de maneira santa nesse texto.
A presença de Deus guiando Urias é clara. Quando Davi propõe que o seu soldado vá dormir em casa, o heteu se recusa e dá uma explicação que dimensiona o seu entendimento da própria religiosidade do povo a quem é fiel e em que se converteu membro: Os homens de Israel e de Judá estão longe, na frente de batalha, e a arca da aliança está com eles. O meu comandante Joabe e seus oficiais estão acampados ao ar livre. Como poderia eu ir para casa, comer e dormir com a minha mulher? Juro por tudo o que é sagrado, que nunca poderia fazer isso! A fidelidade de Urias a Deus e ao povo frustra os planos que Davi traçou para disfarçar o seu pecado.
É de surpreender, volto a repetir, que encontramos tal postura ética e santa, não no rei dos judeus, mas em um estrangeiro. A fidelidade a Deus e ao povo que deveríamos esperar no rei é encontrada em um de seus soldados que, por ser estrangeiro, nem deveria ter acesso à vida de fé dos judeus.
No dia seguinte, mesmo bêbado, Urias não se desviou da sua integridade e respeito a Deus e os companheiros que estavam no campo de batalha. Essa atitude provoca a reação mais cruel de Davi. O rei infiel decide matar o estrangeiro fiel. E para isso, se vale da própria integridade do soldado heteu: Na manhã seguinte, Davi escreveu uma carta a Joabe e a mandou por Urias. Davi escreveu o seguinte: “Ponha Urias na linha de frente, onde a luta é mais pesada. Depois se retire e deixe que ele seja morto” (2 Sm. 11. 14 – 15). A crueldade do rei seja ao ápice. Ao mesmo tempo, a manifestação da integridade de Urias. É impressionante imaginar que Urias voltou à batalha, sem saber, carregando a sua própria sentença de morte. E Davi havia compreendido tão bem a honestidade do heteu que podia estar certo de que ele não abriria uma carta destinada ao general Joabe.
Davi, o rei, começou todo esse processo adulterando com a belíssima mulher de Urias. Depois, desenha um plano para ocultar seu pecado, já que Bate-Seba ficou grávida. Diante do insucesso do projeto inicial, a sua crueldade aumenta contra o pobre marido que o tempo todo deixou clara sua fidelidade a Deus, ao povo e ao rei. Urias acaba morto e o rei infiel respira aliviado.
Urias é um exemplo de santidade e integridade a ser seguido. E mostra que nem sempre esse exemplo vem daqueles de quem devemos esperar. Não era para esperar que um estrangeiro viesse a mostrar o que é ser santo e comprometido com o Deus de Israel. Não era para esperar que um simples soldado nos desse essa lição. Esperaríamos essa lição do rei dos judeus, escolhido por Deus e homem segundo o Seu coração. Mas isso mostra que, como no início da história de Davi, Deus nunca olha para a aparência ou atende as expectativas, mas busca corações que O adorem, com integridade, em espírito e em verdade. E transformem suas experiências de fé em práticas de vida santa. Se queremos aprender a sermos santos com algum exemplo, não devemos olhar para o poderoso rei Davi, mas para o humilde soldado estrangeiro Urias.

Um comentário:

Jonathas disse...

É interessante notar-mos que isso faz referência à vontade de Deus, ou seja, devemos buscar sermos soldados, servos e jamais reis.