9.11.05

Linguagem

Ele abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim igual aos seres humanos
Filipenses 2. 7

Linguagem é a chave da comunicação. O que quero dizer com isso é que é preciso que os interlocutores de uma comunicação dominem, conjuntamente, ao menos uma forma de linguagem para que possam interagir. É preciso que haja o mínimo de entendimento entre eles para que se comuniquem. Tenho descoberto isso. Temos um estrangeiro hospedado aqui em casa hoje. Um argelino. É a segunda vez no ano que só forçado até o limite em meu inglês para poder me comunicar com ele. Minha tia fala esperanto, como ele, mas eu não. E no nosso inglês sofrível, tentamos conversar.
Mas não é só a língua que precisamos partilhar para nos comunicar. Quando penso em linguagem, estou falando em algo bem mais amplo que só a língua. Um momento marcou minhas dificuldades gestuais desde a última segunda-feira, quando Hamimi chegou. Quando fomos apresentados um ao outro, não tinha a menor idéia de como nos cumprimentaríamos. Não tinha noção de como era isso na Argélia. Dei a mão para que apertasse; ele me puxou para junto dele e aí eu me embaralhei. Ele queria me fazer quatro cumprimentos de ombros, conforme a tradição no país dele. Não entendi isso e lhe dei o rosto. Também faz parte do processo o toque dos rostos, mas não consegui saudá-lo na base da “ombrada”. Fiquei morrendo de vergonha.
A lição que tenho aprendido com Hamimi se aplica a nossa vida com Deus. Às vezes percebo que meu problema de relacionamento com Deus é que não entendo a linguagem que Ele fala. É como se eu pertencesse a uma cultura estrangeira e não conseguisse compreender a língua ou os gestos do Senhor para manter comunicação comigo. Como se quando entrasse nos territórios do relacionamento com o Pai, não conseguisse manter interação.
Se, em algum momento, podemos ter relacionamento com Deus, é porque Ele desceu o nível da comunicação, entendimento e relação até os nossos limites. Algo semelhante ao que Hamimi precisa fazer conosco e, muito mais, precisamos fazer com ele. O nosso amigo nunca antes na vida sequer ouvira o português ser pronunciado. Para que ele possa entender e possamos ter relação, precisamos “descer” ao nível de conhecimento que ele tem de nossa língua e cultura. Deus fez e continua a fazer isso conosco.
Ele tinha a natureza de Deus, mas não tentou ficar igual a Deus. Pelo contrário, ele abriu mão de tudo o que era seu e tomou a natureza de servo, tornando-se assim igual aos seres humanos. E, vivendo a vida comum de um ser humano, ele foi humilde e obedeceu a Deus até a morte – morte de Cruz. Por isso Deus deu a Jesus a mais alta honra e pôs nele o nome que é o mais importante de todos os nomes, para que, em homenagem ao nome de Jesus, todas as criaturas no céu, na terra e no mundo dos mortos, caiam de joelhos e declarem abertamente que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus, o Pai (Fp. 2. 6 – 11). Esse é o mistério da Encarnação: o Deus Infinito do Universo olha para mim e para você, em nossas limitações e incapacidades de comunicação e relacionamento com Ele, e decide descer até nós, se fazer um de nós, morrer por nós para quebrar o poder da morte e do pecado e abrir o canal de comunicação entre nós e Ele. Pela presença do Seu Espírito em nós, agora sim podemos partilhar com Ele a mesma linguagem e, desse modo, termos comunicação e relacionamento. Porque mesmo quando nos faltam palavras ou linguagem, o Espírito de Deus vem nos ajudar na nossa fraqueza. Pois não sabemos como devemos orar, mas o Espírito de Deus, com gemidos que não podem ser explicados por palavras, pede a Deus em nosso favor (Rm. 8. 26). O Espírito nos faz falar a mesma língua.

P.S.: Alguns irmãos me criticaram ou apenas reclamaram porque classifiquei a opção pelo “Não” no Referendo de 23 de outubro como sendo conduzida por uma mentira do Diabo. Quero reafirmar a minha visão do fato, independente das críticas. Mas reafirmá-la como minha visão pessoal, e também de alguns cristãos sérios cujos textos li ou com quem conversei. No meu caso, a convicção não nasceu do dia para a noite, nem foi gerada apenas pela campanha de outubro. Desde o início, praticamente, tive noção de que estávamos em uma batalha espiritual. Deus me mostrou algumas coisas e outras eu senti na própria pele. Mas ninguém é obrigado a concordar comigo. Só não acho que qualquer um tem o direito de me desqualificar pelo entendimento que, creio, tenho recebido de Deus. Ao menos sem que antes pergunte diretamente a Deus o que Ele pensa dessa história. Postura, aliás, que deveríamos ter em toda e qualquer circunstância.

Um comentário:

Anônimo disse...

Resources for Avoiding Copy-Protected CDs and DRM Corrupted Music Products
In response to the ongoing Sony BMG Rootkit case I'm posting some links to resources that provide information for consumers worried about their computers and music purchasing choices.
Hey, you have a great blog here! I'm definitely going to bookmark you!

I have a .#<>>http://www.blogger.com/comment.g?blogID=14182886&postID=113130252300547041<<# site/blog. It pretty much covers .#<>>http://www.blogger.com/comment.g?blogID=14182886&postID=113130252300547041<<# related stuff.

Come and check it out if you get time :-)